quarta-feira, 18 de maio de 2011

Brisa de Março

Brotando do nada
a princípio
uma presença nasceu dos dias duros e se tornou árvore florida
o poeta se fez refém
do encantamento de um sorriso

que destroçou a mordaça do silêncio

arrancando os grilhões do corpo e as amarras da alma

dois lábios despidos de falsidade trouxeram de volta

a suavidade ao peito do guerreiro que estava armado
buscando se proteger dos golpes do abandono
dois nacos de fruta nova convidativos na primavera das horas
florindo como árvores da vida
suaves presenças brotando do nada
a princípio
devolveram ao peito do guerreiro
a suavidade perdida
duas polegadas rubras carregando no cálice do encantamento
as raízes de um sorriso
dois lábios emplumados de palavras incendiárias
ensinando ao sedento agora salvo do deserto
mais uma nobre lição de casa

a eternidade também se alimenta do mínimo


Meus queridos leitores: Esse poema eu tive a honra de receber de uma pessoa muito especial  :)

Espero que assim como eu, vocês também tenham gostado!

Bjos,
Nayran Mendes

2 comentários:

Anônimo disse...

belissimo texto, quem foi que te presenteou? rsrsr conta aí!

Jr.

Nayran disse...

foi inspirado em mim tinha que ser lindo né?! kkkk brincando :)

entao, foi um amigo que fez :)

bjim :*